Software de Gestão do Conhecimento para Trabalhos Acadêmicos

Clique AQUI para acessar mais informações.



terça-feira, 26 de abril de 2011

FILOSOFIA, EXEGESE E APOLOGÉTICA - UM RELATÓRIO DE MEUS ESTUDOS NO CPAJ

Nos dias 04 - 15 de abril participei de dois novos módulos no Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper - Universidade Presbiteriana Mackenzie. O primeiro foi sobre a proposta teológico-filosófica do Filosófo e Jurista Holandês Herman Dooyeweerd, ministrada pelo Prof. Fabiano Oliveira. Abaixo segue um resumo dos antecendentes históricos e filosóficos de Herman Dooyeweerd (Espero que o Prof. Fabiano não se incomode em eu postar aqui parte de minha avaliação entregue a ele). O pensamento do Filósofo é gigantesco! Eu diria que Dooyeweerd está para a filosofia reformada como Kant está para academia secular. O segundo módulo foi sobre a Apologética de Cornelius Van Til (No próximo post publicarei parte de um glossário vantiliano). Nas leituras realizadas percebemos como estes dois filósofos foram influentes em outros pensadores e em outras áreas: filosofia, psicologia, economia, direito, teologia etc. A cada aula e a cada leitura novas descobertas. Principalmente a robustez em fazer filosofia sob o referencial das Escrituras, fundamentado em uma metodologia exegética, construída com o mesmo rigor filosófico contido em obras de outros filósofos. Além do mais, também foi edificante aprender da piedade desses dois pensadores. Os Cristãos reformados estão fazendo filosofia e teologia robustas, solidificada à luz da Exegese, da Exposição e do refinamento filosófico atualizado. Num diálogo crítico com outras Escolas, não se tem medo de enfrentar e debater as questões relacionadas a nossa disciplina (Teológia Filosófica) ou à disciplina alheia (Filosofia).

No próximo semestre, querendo Deus, faremos os módulos "Modernidade e Pós-Modernidade" e "A Apologética de Francis Schaeffer". Pelo rigor acadêmico que tenho visto no CPAJ, sei que serão tão bons quanto os anteriores. Ansioso pelo dia!

________________________________

Herman Dooyeweerd

O contexto histórico-filosófico do holandês Herman Dooyeweerd (1894 – 1977) encontra-se entre dois pólos. Primeiro, no contexto do NeoCalvinismo Holandês e, segundo, a filosofia alemã contemporânea, tanto do neo-kantismo, quanto da Fenomenologia de Edmundo Husserl. Isso sem menosprezar a influência familiar na formação do Dooyeweerd, na qual teve seus primeiros contatos com o neocalvismo por parte de seus pais. Wolters (1987), afirma que “Dooyeweerd não pode ser entendido se a apreciação de ambos os movimentos”.

No primeiro ambiente, a filosofia de Dooyeweerd pode ser seguida desde as primeiras formulações do movimento fundado pro Guillaume Groen van Prinsterer (1801 – 1876) e Abraham Kuyper (1837 – 1920) conhecido como neocalvismo. Van Prinsterer, aristocrata holandês e fundador do Partido Alemão Anti-revolucionário, argumentava, com base em sua importante obra, Unbelief and Revolution (1847), que se o Cristianismo fosse eliminado da vida pública, o resultado seria o caos da ordem por meio de uma revolução violenta (BISHOP). A conseqüência de sua exposição nos leva ao segundo grande pensador e propagador das ideias primordiais de van Prinsterer, Abraham Kuyper.

Kuyper exerceu maior influência sobre Dooyeweerd e é o mais conhecido do Neocalvinismo. Através de publicações e envolvimento eclesiástico (como pastor) e político (como líder do Partido Anti-revolucionário e posteriormente Primeiro Ministro), Kuyper pôde desenvolver uma visão reformada que fosse além dos aspectos soteriológicos do Calvinismo. Para Kuyper, apropriando-se dos conceitos de Weltanschauung já depurados por James Orr, o Calvinismo é uma Cosmovisão completa de vida, ou seja, o Calvinismo é um sistema completo de mundo e de vida. O próprio Dooyweerd confessa sua dependência, ainda que não sem críticas, da influência kuyperiana.

A filosofia da Ideia Cosmonômica, desde o começo de seu desenvolvimento até sua primeira expressão sistemática nesta obra, somente pode ser entendida como fruto do despertamento Calvinista na Holanda desde as últimas décadas do século XIX, um movimento que foi liderado por Abraham Kuyper (DOOYEWEERD, 1984, p. 523).

Isto posto, não podemos esquecer ainda a participação de seu cunhado D.H.T. Vollenhoven (1892 – 1978) que, marcadamente providenciou a Dooyeweerd uma abrangente visão acerca da estética, arte, economia, educação e outras ciências, especialmente história e filosofia.

No âmbito filosófico, a segunda principal influência sobre Dooyeweerd foi a Filosofia Alemã, especialmente em sua vertente neo-kantiana e fenomenológica. O próprio Dooyeweerd confessa isso no prefácio de sua principal obra, A New Critique of Theorical Thought, dizendo: “Eu estava fortemente sob influência da filosofia Neo-Kantiana, [e] posteriormente sobre a fenomenologia de Husserl”(DOOYEWEERD, 1984, p. v). Wolters (1987), diz que esta “é o fator mais importante para entender algumas das características mais estritas e técnicas” do pensamento de Dooyeweerd. No primeiro caso, a participação de Wilhelm Windelbrand e Heinrich Rickert, que contribuirão para a distinção entre Normas e Leis da Natureza (WOLTERS, 1987) e Nicholai Hartmann, cujos aspectos modais de sua filosofia marcarão o pensamento de Dooyeweerd que sofisticará a idéia de Hartmann e, ainda, a postulação de diferentes níveis ontológicos no qual cada nível é irredutível a um anterior (WOLTERS).

Enfim, o método transcendental do neo-kantismo seria criticado sob uma ótica biblicamente orientada, passando a ser uma nova crítica do pensamento teorético. Assim, conceitos como idéia, sujeito, conceito, transcendente, transcendental etc., passam por um refinamento em Dooyeweerd que se interessa pelo ferramental da filosofia de modo crítico e refletido sob “os pressupostos revelacionais”(OLIVEIRA, 2011, p. 56).


Postado por Gaspar de Souza

sábado, 2 de abril de 2011

Comunicação Científica: Historicismo e o sentido da história na crítica do pensamento filosófico cosmonômico de Herman Dooyeweerd.

IIIº Congresso Nacional da ANPTECRE
http://www.anptecre.org.br/3anptecre/

GT 18: Filosofia da Religião

Explicitador e referência para contatos:
MÁRCIO ANTÕNIO DE PAIVA (PUC-Minas), filosofiadareligiao@pucminas.br

Historicismo e o sentido da história na crítica do pensamento filosófico cosmonômico de Herman Dooyeweerd.
Luis Cavalcante, prof.luiscavalcante@bol.com.br  - Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Comunicação Científica: A contribuição do pensamento reformacional de H. Dooyeweerd para o desenvolvimento de uma teoria da religião da religião

IIIº Congresso Nacional da ANPTECRE
Resumos Aceitos pelo GT 12: Teorias da Religião
(Coordenador: Luís Henrique Dreher - PPCIR-UFJF, luis.dreher@ufjf.edu.br)

A contribuição do pensamento reformacional de H. Dooyeweerd para o desenvolvimento de uma teoria da religião da religião
Luis Cavalcante – UPM, prof.luiscavalcante@bol.com.br
 
A comunicação propõe-se investigar a relevância de aprofundar e entender a religião na interface e proposta de uma cosmovisão calvinista e pensamento reformado. A noção de religião não abarcaria apenas “fenômenos religiosos externos”, grupos “religiosos institucionais ou não”, a construção cultural, social e econômica, ou ainda, uma área ou esfera da vida. Antes, há que perceber a religião como raiz primária de todo pensamento, que o envolve totalmente e lhe dá direção em cada domínio do empreendimento humano. Segundo o filósofo Herman Dooyeweerd, a religião é “o impulso inato do eu humano para direcionar-se rumo à verdadeira, ou a uma simulada, origem absoluta de toda a diversidade temporal do sentido”. Pretende-se verificar o conceito de religião no olhar da filosofia reformacional através da primeira da obra de Herman Dooyeweerd traduzida para o português, No crepúsculo do pensamento ocidental: estudos sobre a pretensa autonomia do pensamento filosófico. O princípio de leitura tem como fio vermelho a própria afirmação dooyeweerdiana da impossibilidade de uma pretensa autonomia do pensamento filosófico e científico.